segunda-feira, 11 de junho de 2007

Segredos.

Os olhos reviram no novo acordar. Queima-me a retina toda a violência das cores abrasivas e o fumo reaparece logo a seguir, em tons acromáticos de quem não deixa perceber quem é. As memórias não sabem como diluir e os seus cheiros ficam retidos em tons mediterranicos.
Ai sol, que me escureces a pele, ilumina-me as verdades que não me querem revelar. Queima-me as fotografias e mostra-me os segredos. Deixa-me encontrar as duas chaves que me faltam para sair deste labirinto de silêncios mal explicados que me ardem em feridas abertas. Solta-me o nó na garganta.
Deixo os olhos condensar agora, na tentativa de saber mas do que sei. Revejo as mensagens que me deixam para encontrar qualquer vestígio do que perdi. Sonho de crescer para além das árvores, que não enraizam quando devem. E corro no teu encontro, com sorrisos e abraços programados, na esperança de serem tão reais os que recebo.
Os lábios sabem-me a outros perfumes e sangue de quem se esforçou a lavá-los. Encontro marcas demais na tua pele e penso que nunca as tinha visto. Dou por mim em becos sem saída com mil e uma portas de oportunidade e decido entrar em todas ao mesmo tempo, fugir, para não pensar mais.
Caiem-me alfinetes no peito e eu deixo que escorram até aos pés. Aguento-me em pedra firme sem medo de cair. Mudei tanto.
Por fim, há-de vir uma gota de fluído incandescente para me oxidar a vontade. E, no entanto, és tudo aquilo que quero por agora.

11 Junho 2007 : 04.02

11 comentários:

peterpan disse...

sinceridade.
vários sinónimos se aplicam a esta palavra. De suores e sangues de frustraçao demonstrada e faltas de coragem evidentes.
Porque criar a dúvida resulta até não haver confiança. Porque de propósitos de penumbra e segundos planos para a qual o SER é renegado, Lhe fazem doer, ou talvez procurar um significado para quem não é gostado, amado, sentido como parte de si.
2 num só. soa a falso já. porque amor é um sentimento que não é vão, que não se evoca aos céus. Mas a alguém a quem possa ser dito sem medo de ouvir ou sentir que não é correspondido.
não diria que não dói.
mas do outro lado, do dia , do sol, do lado em que nos mostramos. Nesse lado se vive, se ama, se compartilha, se trocam olhares cumplices, se partilha e se entrega o corpo, se abre o coração.






talvez por não sentir se enconde com medo que descubram que não é verdade o que diz.

sinceridade portanto!?



enfim...
clamar e declamar não faz de nós coragosos, nem subtis.
porque de jogos de enredo se forma um sentimento maior quando se aprende a confiar.
portanto SER, ou ignoras e mantens a dualidade ( o previsivel...) ou te revelas...

peterpan disse...

previsivel portanto...









+_º

dual_ disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
dual_ disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
dual_ disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
dual_ disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
dual_ disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
dual_ disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
dual_ disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
dual_ disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
dual_ disse...

I DO…

Caminho de seda e veludos para o castelo encantado, de portas abertas está.
Cores marcantes como as de um arco-íris… as tuas.
Luzes!
Acender luzes!
Corpos de luz que nos fazem sentir grandiosos.
O som das palavras… sussurrados aos ouvidos… e ditos nos lábios.
Cada palavra contém o brilho de uma estrela.
Tuas mãos de contracções faraónicas, teus braços, ânimo do segredo, esotéricos de majestade astral, braços poderosos de polvo de actos de triunfo antes de adormecer.
O leito de areia que te cerca agora cativando-me no veiculo minucioso que nos desloca nas viagens.
Despertares espontâneos.
A nossa efígie perpetuada nos caminhos que desconhecemos e exploramos de mãos entrelaçadas. As mãos que são o guia nas caves do dia.
Vale a pena amar-te e sentir ser amado.
Nossos corpos unidos num só abrem asas e VOAMOS!
Asas que me dás, que me leva e nos levam bem alto e para longe.
Paraíso no teu olhar.
O encantamento de dois em um!
You show me your smile.
Gosto de saborear…
A eloquência do Amor, desperta em nós seres mais leves em danças e coreografias improvisadas que não têm mais fim.
Ficas! Fico! Estás! Estou!
I always do something – everything…!
Contigo…! A magia continua…!

Também te Amo muito, gosto de te ter.
AMO-TE.
Beijos P****** do teu J.M.

1Beijo = 1000
Ours «Dreams do come true»